fbpx

Como lideranças podem superar os desafios de 2021?

Renan Araújo

Muitas empresas conseguiram passar pelas turbulências do último ano, que não foram poucas. Desde março, organizações dos mais variados setores precisaram adaptar suas rotinas para um modelo de trabalho remoto — isso sem falar dos casos em que precisaram realizar desligamentos para adequar seu planejamento financeiro.

Apesar de tudo isso, os desafios de 2021 ainda são incertos. A pandemia continua entre nós, e existe a necessidade de buscar por estratégias eficazes que possibilitem que as lideranças prossigam destravando o potencial humano de seus profissionais.

Pensando nisso, elaboramos este conteúdo para que você entenda como o trabalho de líderes podem auxiliar liderados e lideradas a superarem essas dificuldades. Continue a leitura e saiba mais!

Tenha decisões alinhadas com os objetivos da empresa

Ao longo de todo esse período, tivemos a oportunidade de perceber que avaliações e metas anuais não são tão efetivas quanto ciclos mais curtos. No início de janeiro de 2020, nenhuma empresa conseguiria prever o que aconteceria com o passar dos meses. Nesse sentido, objetivos e metas precisaram ser completamente revistos. Enquanto umas desejavam reter os atuais clientes, outras traçaram planos de sobrevivência — uma vez que o mercado foi fortemente abalado.

Independentemente das mudanças que ainda devem ocorrer ao longo de 2021 por parte das lideranças, o ideal é que elas estejam alinhadas ao objetivo da empresa.

OKRs

Para isso, o mais indicado é a definição de OKRs para a organização. Trata-se de uma metodologia de metas coletivas e individuais que convergem para as metas globais da organização.

Nesse sentido, cada área entenderá como as suas funções contribuem para os resultados do negócio, o que aumenta o sentimento de pertencimento e a busca por resultados mais atrativos. Além disso, as OKRs contam com ciclos mais curtos — normalmente, entre 3 e 6 meses.

Utilizada por grandes empresas — no Google, foi aplicada quando tinha apenas 40 colaboradores em sua base —, elas ainda têm o diferencial de serem transparentes. Toda a empresa consegue entender quais são as OKRs do time e como elas contribuem para o resultado macro do negócio.

Por fim, os próprios profissionais podem construir as suas OKRs, diferente das metas tradicionais. Isso contribui para uma maior motivação de todo o time, aumentando as possibilidades de sucesso.

Pratique one-on-ones

One-on-ones são reuniões periódicas entre líderes, liderados e lideradas. Especialmente em períodos desafiadores, elas são essenciais para que o time como um todo possa se comunicar melhor, além de haver um fluxo de informações de baixo para cima de forma mais eficiente.

Em seu livro The Hard Thing About Hard Things, Ben Horowitz, fundador da Netscape, Opsware e A16Z, afirma que “na ausência de uma arquitetura de comunicação bem projetada, informações e ideias irão estagnar e sua empresa irá se degenerar e se transformar em um lugar ruim para trabalhar [se não houver 1:1s]”.

Depois de 2020, ano no qual ocorreram mudanças a todo momento — e objetivos foram modificados conforme a pandemia foi avançado —, é inimaginável pensar em uma organização com dificuldades de comunicação que não tenha sofrido alguns gargalos por esse erro.

Além disso, as one-on-ones contribuem para trazer ao colaborador a sensação de que alguém se preocupa com ele no nível pessoal. Ainda estamos em um período no qual as pessoas sofrem com um temor da pandemia ocasionada pelo novo coronavírus. Isso pode afetar de forma direta o modo como as pessoas trabalham, impactando a produtividade como um todo. Ao trazer esse lado mais pessoal para a gestão, a pessoa se sente acolhida — e traz reflexos até mesmo para a rotatividade, que ficará em baixa.

Pratique feedbacks

A cultura de feedbacks contínua deve ser priorizada em seu negócio, independentemente do contexto. Em períodos de grandes desafios, como 2021, mais ainda. Afinal, eles contribuem para que as pessoas de um time possam exercer suas funções com um direcionamento mais preciso.

Gostamos sempre de fazer a analogia do mapa de papel e do GPS para exemplificar a importância de uma cultura voltada para o feedback. Ambos dizem onde a pessoa deve chegar. No entanto, o GPS faz alterações de rota ao longo do caminho, oferecendo o melhor percurso para que o indivíduo tenha um experiência mais positiva e chegue em um tempo mais curto.

É justamente isso que o feedback promove: faz correções de forma genuína para que as pessoas tenham uma performance melhor, além de estimular que boas práticas se disseminem por toda a empresa.

Promova capacitações

Capacitações são importantes tanto para liderados e lideradas quanto para as próprias lideranças. Além de possibilitar o desenvolvimento de novas habilidades da equipe, estimula o aprendizado e possibilita que as pessoas busquem continuamente por estratégias mais inovadoras para as suas funções.

Além disso, o conhecimento adquirido por um colaborador pode ser disseminado para todo o time em encontros pontuais. Você pode até mesmo tornar isso como um ritual de sua empresa, fazendo encontros semanais para que esse objetivo seja alcançado.

Visando realizar treinamentos efetivos, faça inicialmente uma análise SWOT da equipe. Entenda quais são as forças e fraquezas do time e quais são as possibilidades internas. Afinal, o trabalho efetuado por um pode ser útil para o dia a dia de outra pessoa, trazendo ganhos para todo o time.

Tenha, ainda, controle de todo o processo e avalie de forma periódica qual é o retorno obtido por essas capacitações.

Tenha foco nos indicadores

Mais do que nunca, indicadores devem ser acompanhados. As lideranças precisam ter um amplo entendimento sobre eles, de modo que trace ações específicas para números que estejam abaixo do esperado.

Exemplo: o clima organizacional deve ser um fator importante para que as equipes prossigam produtivas e possam alcançar os resultados almejados. Trata-se da percepção das pessoas de um time em relação a diferentes aspectos da empresa, como benefícios, remuneração, oportunidades de crescimento profissional, equipamentos de trabalho e até mesmo a visão sobre a liderança.

A partir da pesquisa de clima, é possível identificar quais são os gaps da empresa. Porém, por si só, é apenas um diagnóstico. O próximo passo é traçar estratégias junto ao RH para buscar melhorias para o clima e, consequentemente, para os resultados da empresa como um todo.

Além do clima, outros indicadores que as lideranças devem ter em mente em momentos desafiadores são:

  • indicadores de desenvolvimento de liderança;
  • indicadores financeiros;
  • indicadores próprios do time — um líder de marketing terá foco em entender a quantidade de leads e MQLs, por exemplo. Já um líder de vendas foca na quantidade de novos MRRs;
  • indicadores de estrutura organizacional; entre outros.

Neste conteúdo, você pôde entender algumas dicas práticas sobre como as lideranças podem contribuir para que seus times possam superar os desafios de 2021. Além de todos os pontos mencionados, o ideal é que as empresas contem com um bom planejamento, além de realizar monitoramento constante das OKRs estabelecidas. Dessa forma, há a possibilidade de adequar pontos ao longo desse período, contribuindo para que o negócio atinja os resultados almejados.

Preocupe-se, ainda, com a gestão de desempenho como um todo de seu time. Para saber mais sobre o assunto, continue no blog e confira um material completo sobre o tema!