Qulture.Rocks se junta ao UOL EdTech. Saiba mais

RH do futuro: confira 6 das suas principais características!

Renan Araújo

RH do futuro – mulher utilizando notebook

Qual é o futuro do RH? Até pouco tempo atrás, o setor era voltado especificamente para questões mais burocráticas. Coordenava folhas de pagamento, realizava processos de admissão e demissão, além de realizar um controle de ponto. Ter uma visão mais estratégica é mais do que um ponto de diferencial, mas sim uma necessidade por parte do negócio.

De acordo com Chiavenato, um importante nome nos estudos sobre Recursos Humanos, as organizações dependem das pessoas para alcançarem seus objetivos e missões. De nada adianta ter metas globais bem estabelecidas se não houver o investimento em capital humano, uma vez que ele é quem vai coordenar os processos e contribuir para o sucesso da empresa.

Neste artigo, a gente apresenta algumas das tendências do futuro do RH e o que você deve se preocupar nesse sentido. Continue a leitura e saiba mais!

Navegue pelo conteúdo:

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

1. Transformação digital

Nas empresas, a transformação digital pode ser utilizada como uma caixa de ferramentas para que grandes organizações possam se valer de soluções para reformular e otimizar processos. Dentro dessas caixas, são observadas tecnologias que facilitam novos canais de contato com o cliente, que promovam mudança cultural nas empresas, além de tornar os processos menos burocráticos.

Quando falamos de tecnologia para a transformação digital, não estamos nos referindo ao uso de tecnologias de ponta, mas sim uma soma de fatores comuns: organizações que contratem desenvolvedores de softwares e outros profissionais com propostas de valor bem definidas e com investimento necessário para trazer soluções para as mais distintas áreas de uma organização, inclusive o RH.

De acordo com um estudo da Deloitte, ao entrevistar mais de 10 mil líderes em todo o mundo, 73% deles consideram o RH digital como algo importante ou muito importante. Além disso, 56% das organizações estão redesenhando seus programas de RH para aproveitar ferramentas digitais e se tornarem mais estratégico.

Em um outro levantamento realizado pela KPMG, com mais de 1000 executivos de Recursos Humanos, quem acredita no papel estratégico da área está mais disposto ao investir na transformação digital: 67% contra 48% de outros grupos.

2. Mais flexibilidade

O RH terá um importante papel para que as empresas se tornem mais flexíveis. Faz parte de um setor mais estratégico se preocupar com a retenção de seus talentos e com a satisfação de colaboradores e colaboradoras. De acordo com um estudo da PwC, realizado com mais de 180 mil profissionais millennials, 66% das pessoas entrevistadas alterariam seus horários de horário caso isso fosse permitido pelo seu negócio.

Além disso, 15% dos profissionais do sexo masculino abririam mão de parte de seus salários para trabalharem menos ao longo do dia, enquanto 21% do sexo feminino tomariam a mesma decisão. O mesmo levantamento apontou a flexibilidade como um dos principais fatores por parte do time como uma necessidade para o negócio, junto com coesão de equipe e valorização do líder.

Banner Ebook Talent Science

3. RH orientado a dados

Mais dados, menos achismos. Essa é uma das mais principais tendências do RH do futuro e que contribuem de forma direta para que a empresa tenha um RH mais estratégico. Porém, um estudo realizado pela Convenia aponta que menos de 15% dos setores disseram fazer People Analytics, mesmo entendendo sobre a importância da estratégia com grandes cases do mercado.

Em um outro estudo realizado pela PwC, também conseguimos tirar alguns insights interessantes. No levantamento, aqueles setores altamente baseados em dados se encaixaram em 39% das respostas. Outros parcialmente baseados em dados, 53%. As empresas que raramente são baseadas em dados foram respostas de apenas 8%.

Porém, apenas parcialmente não é o suficiente. Em qualquer tomada de decisão de gente é preciso levar em conta as informações do negócio para que elas sejam mais efetivas. Contratações, demissões, promoções, todas essas práticas precisam ter embasamento antes de serem concluídas. Caso contrário, existem os riscos até mesmo de promover promoções de profissionais que não se adéquem à cultura do negócio — o que geraria insatisfação do restante da equipe.

4. Busca por ferramentas

Para chegar a esse nível, a automação de tarefas é fundamental. Se a sua área de Recursos Humanos estiver  exercendo muitos papéis manuais, dificilmente terá tempo o suficiente para se dedicar a análises e metrificar quais seriam os dados mais interessantes para que o setor esteja trabalhando em direção à estratégia macro do negócio.

Hoje, existem ferramentas que oferecem as mais diferentes funcionalidades para o setor, como:

  • cálculo da folha de pagamento;
  • geração e distribuição de holerites;
  • controle de férias;
  • admissão digital;
  • pagamento de profissionais;
  • recrutamento e seleção;
  • gestão de desempenho — que contribui para avaliações de desempenho mais embasadas, feedbacks bem direcionados, controle de one-on-ones, entre outras atividades.

5. Mais alinhamento

O RH deve trabalhar para que haja mais alinhamento entre as áreas, bem como entre profissionais e os demais times. Por essa razão, metas e objetivos individuais devem estar intimamente ligados às metas e objetivos da empresa.

Entre os diferenciais que isso traz, destacamos:

  • aumento das margens operacionais da empresa, uma vez que o colaborador se vê como parte direta do sucesso da empresa, focando em encontrar maneiras de trabalhar de forma mais inteligente e eficaz;
  • execução mais ágil da estratégia da empresa, uma vez que os times terão entendimento mais preciso sobre os objetivos macro do negócio, alinhando suas atividades para que esse resultado seja alcançado com mais facilidade;
  • execução mais eficaz dos projetos e departamentos, o que elimina esforços duplicados;
  • redução do turnover, uma vez que o  claro alinhamento dos objetivos/metas ajudam a criar um maior sentimento de responsabilidade/posse no sucesso da empresa.

6. Agregar novas habilidades para o setor

Os setores estão cada vez mais interligados. O RH que exerce a função apenas de RH já não existe mais. E se existe, você está um passo atrás de grandes empresas. A busca por recrutamento e seleção, por exemplo. Existe a necessidade de o time ter habilidades de marketing que contribuam para atrair os principais talentos do mercado, buscando sempre aprimorar a imagem da organização em relação aos mais diferentes públicos.

Novamente, a análise de dados entra como uma importante aliada, com o objetivo de entender o perfil de pessoas que chegam até às vagas, qual é o turnover do negócio, como está o clima organizacional do negócio, entre outros pontos importantes.

E então, o que achou de entender um pouco mais sobre as características do RH do futuro? Ao longo do material, mencionamos sobre a necessidade de contar com softwares que auxiliam todo o trabalho do time. Se você deseja saber mais sobre o tema, continue no blog e acompanhe um conteúdo completo que produzimos sobre o assunto!