fbpx

O ciclo curto de OKR

Francisco Homem de Mello

Ciclos aninhados

As OKRs são executadas em cadências ou ciclos aninhados.

Qualquer empresa opera simultaneamente em pelo menos quatro ciclos: o longuíssimo prazo, onde vive sua missão, que não tem prazo de validade; o ciclo estratégico, onde vivem a visão e as OKRs de três a dez anos; o ciclo anual, que geralmente ocorre em paralelo com o ano fiscal da empresa; e, finalmente, os ciclos curtos, onde vivem visões e OKRs de ciclo curto, prazo este que pode durar de um a seis meses. Essas cadências podem ser visualizadas na imagem abaixo:

O tamanho de um ciclo curto, que está contido no ciclo anual, pode variar com base em vários fatores, como o estágio e a estratégia da empresa e o mercado onde atua. As empresas em mercados de ritmo mais acelerado e indefinido (aplicativos de carona, por exemplo) podem fazer ciclos mensais, bimestrais ou trimestrais, pois precisam ajustar seus planos táticos mais rapidamente. Empresas em mercados mais estáveis, ou com negócios mais estabelecidos, podem realizar ciclos trimestrais ou semestrais.

É importante notar que ciclos curtos são onde a mágica das OKRs acontece. Ciclos curtos têm 3 fases:

• Planejamento

• Monitoramento

• Debriefing

O planejamento é quando as OKRs da organização são definidas e posteriormente desdobradas por toda a empresa.

O primeiro passo é definir as OKRs da empresa. O segundo passo é criar as OKRs dos liderados e das lideradas diretos do CEO da empresa. Esse processo, de definição de OKRs em níveis hierárquicos subsequentes, se repete até que todos na empresa tenham OKRs s/ou projetos. O processo de desdobramento é uma análise que define se a OKR deve ser desdobrada inteira ou em partes para o nível hierárquico inferior ou se o que deve ser desdobrado é um plano de ação ou projeto que a equipe entende que será suficiente para que a OKR seja batida.

O primeiro passo é definir as OKRs da empresa. O segundo passo é criar as OKRs dos liderados e das lideradas diretos do CEO da empresa. Esse processo, de definição de OKRs em níveis hierárquicos subsequentes, se repete até que todos na empresa tenham OKRs s/ou projetos. O processo de desdobramento é uma análise que define se a OKR deve ser desdobrada inteira ou em partes para o nível hierárquico inferior ou se o que deve ser desdobrado é um plano de ação ou projeto que a equipe entende que será suficiente para que a OKR seja batida.

É importante notar que uso aqui o termo “nível hierárquico inferior” sem prejuízo de times mais horizontais. Um VP de Engenharia de uma empresa de e-commerce organizada em squads, sob o “modelo Spotify”, pode desdobrar OKRs e projetos para os líderes de tribos técnicas (como por exemplo backend, front-end e infraestrutura), enquanto os VPs como um todo podem desdobrar OKRs e projetos para líderes de tribo de negócio, como operações de logística, carrinho de compras e loja online. Portanto, interprete “nível hierárquico inferior” como uma pessoa ou entidade que se reporta a uma dona de OKRs e projetos.

Terminada a etapa de planejamento, a empresa então entra no modo de monitoramento. Aqui, o objetivo é que cada time acompanhe suas principais OKRs e a execução de projetos e planos de ação, que são os esforços que farão com que, com alguma sorte, as OKRs sejam atingidas. Finalmente, o ciclo curto termina com um balanço dos resultados obtidos (e não obtidos) e uma reflexão de aprendizados, o que dá início automaticamente a um novo ciclo e seu planejamento (muitas vezes simultaneamente).