fbpx

Diversidade e inclusão: qual a diferença entre os termos?

Renan Araújo

Diversidade-e-inclusão

A sua equipe entende a diferença entre diversidade e inclusão? Investir em diversidade nas empresas deve ser uma prioridade para as organizações. Por meio dessa estratégia, os times têm a oportunidade de construírem um diálogo mais rico, estimulando a inovação.

No entanto, ao se preocupar com diversidade, também é preciso ter atenção quanto à inclusão. Caso contrário, as pessoas contratadas de narrativas específicas não terão o suporte necessário para prosseguirem com as suas funções, o que traria uma imagem negativa para a organização e não estimularia a retenção desses talentos.

Pensando nisso, elaboramos este material para que você entenda um pouco mais sobre os tipos de diversidade existentes, a diferença entre ambos os conceitos, além de conferir a importância que isso traz para o negócio. Continue a leitura e saiba mais!

Quais são os tipos de diversidade nas empresas?

Inicialmente, vamos entender sobre os tipos de diversidade existentes nas empresas. Diversidade pode ser definida como um conjunto de pessoas que contam com características e qualidades distintas. Além disso, elas também fazem parte de diferentes grupos culturais. Em uma empresa, a diversidade é compreendida por pessoas que tenham diferentes:

  • etnias;
  • necessidades especiais;
  • religiões; 5
  • idades;
  • crenças variadas;
  • orientação sexual;
  • gêneros;
  • culturas; entre outros.

Como é a realidade do Brasil quando abordamos sobre diversidade?

O Brasil é um país que ainda precisa caminhar bastante para que tenha diversidade nas empresas. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Instituto Ethos, com 500 empresas de nosso país, apenas 2% dos colaboradores em organizações nacionais são pessoas com deficiência. Além disso, as mulheres representam apenas 13,6% das vagas executivas e recebem 30% menos que os homens. Não existe nenhum indígena nas empresas analisadas, enquanto pessoas pretas ocupam apenas 4,6% dos cargos executivos.

Quando abordamos sobre LGBTs, uma pesquisa feita com 230 profissionais de 14 estados brasileiros aponta algumas reflexões:

  • 41% dos LGBTs afirmam ter sofrido algum tipo de discriminação por orientação sexual ou identidade de gênero;
  • 33% das empresas não contratariam esses profissionais para cargos de liderança;
  • 61% dos LGBTs preferem não revelar a sua sexualidade para gestores e colegas.

A realidade além das empresas é ainda mais preocupante. Somos o 5ª país que mais violento para mulheres no mundo, enquanto 90% das travestis e transexuais estão na prostituição. Grande parte delas, inclusive, nem sequer terminou os estudos, uma vez que já encontravam barreiras nas instituições de ensino (uso de nome social e dos banheiros, por exemplo). A expectativa de vida de uma travesti e transexual é de apenas 35 anos.

Apenas 6% das pessoas pretas contam com diploma universitário – e um jovem é assassinado a cada 23 minutos no país.

Nesse sentido, é papel das organizações mudar esse quadro, uma vez que contribui para mudar as narrativas de pessoas marginalizadas e ainda têm reflexos em seu próprio dia a dia.

Qual a importância de investir em diversidade nas empresas?

Conforme abordado, essa não é apenas uma questão social. Empresas que se preocupam com essa questão contam com resultados mais relevantes. De acordo com o relatório Diversity Matters, elaborado pela consultoria McKinsey Company, empresas que consideram a diversidade no recrutamento entregam resultados até 25% superiores daquelas organizações “não-diversas”.

Além disso, marcas que contam com diversidade de gênero são 15% mais propensas de terem performance superior. Quando há a promoção de diversidade étnica, há um aumento desse número para 35%.

Além disso, segundo um mapeamento realizado pela Catalyst, empresas com altos níveis de diversidade e políticas de RH voltadas para esse tema contam com baixos índices de rotatividade.  Por fim, de acordo com a consultoria Hay Group, onde a diversidade é praticada pelos colaboradores os conflitos são reduzidos em até 50%.

Qual a diferença entre diversidade e inclusão?

Porém, de nada adianta investir em diversidade se não houver a preocupação com a inclusão. Mas quais são as diferenças existentes entre esses dois pontos? Apesar da diversidade ser importante, é a inclusão que fará a diferença para a retenção desses talentos contratados.

Entenda: investir em um processo seletivo eficaz para pessoas com deficiência é diversidade. Promover a adaptação dos espaços físicos do escritório para atender a esses colaboradores é a inclusão. Sendo assim, entendemos que a inclusão é um passo além.

É por meio de estratégias de inclusão que a organização vai garantir que as pessoas tenham a mesma chance de desenvolvimento, possam alcançar cargos de liderança e tenham o mesmo prestígio que demais colaboradores.

Para isso, a empresa precisa mudar a sua cultura como um todo. Uma boa dica é realizar rodas de conversas periódicas, nas quais os próprios funcionários terão a oportunidade de apresentarem suas narrativas, preconceitos vivenciados e desafios de sua carreira, de acordo com a minoria que se enquadra.

Neste material, você pôde entender um pouco mais sobre as diferenças existentes entre diversidade e inclusão. Também conferiu a importância da diversidade nas empresas, bem como entendeu a situação do Brasil quando esse é o tema em questão. Conforme abordado, a inclusão de distintas pessoas é essencial para que elas tenham a mesma oportunidade, além de se sentirem confortáveis em seus espaços. Por isso, sempre recolha o feedback das suas equipes e estude de forma contínua como a organização pode melhorar nesse cenário.

Gostou deste material? Para acompanhar outras dicas e novidades do mundo de gestão de desempenho, curta nossa página no LinkedIn e confira nossas publicações!