fbpx

Dia do Líder: confira os desafios e aprendizados das lideranças da Qulture!

Renan Araújo

dia-do-lider

No dia 16 de outubro se comemora o Dia do Chefe. No entanto, na Qulture, ressignificamos a data para o Dia do Líder. Especialmente em períodos mais desafiadores, o papel da liderança é fundamental para o engajamento dos colaboradores e também para a retenção dos profissionais. 

É o que prova uma pesquisa feita pela Gallup. De acordo com os dados levantados, o mau relacionamento com os gestores é o motivo para 75% das pessoas deixarem seus empregos. Em um outro levantamento feito pela Michael Page, 8 em cada 10 profissionais pedem demissão por causa de seus líderes. 

Nesse cenário, ter o conhecimento sobre os principais desafios enfrentados pelo cargo e também entender as particularidades de cada pessoa de seu time é fundamental para conseguir obter melhores resultados e performance de toda a equipe.

Aqui, explicamos um pouco mais sobre a visão de algumas lideranças da Qulture. Confira! 

O papel de um bom líder

Qual seria o papel de um bom líder?

“Uma boa líder é aquela que apoia seus liderados e lideradas no dia a dia. Ela ajuda seu time a priorizar e a tomar decisões, contribuindo para que ele conecte suas tarefas com a estratégia da equipe e da empresa. Ela contribui para remover os obstáculos e garante que seu time consiga se dedicar para o que traz mais valor.”, afirma. 

ISABEL GOMES, LÍDER DE PRODUCT MANAGER

Além disso, Bel destaca que todas essas características devem ser priorizadas sem tirar a autonomia dos profissionais. 

Preocupar-se com essas questões pode refletir diretamente para o engajamento dos colaboradores. Mas qual a importância que isso traz para as equipes? Segundo uma pesquisa feita pela Queen’s University, empresas com alto índice de engajamento usufruem de: 

  • ganho de 15% na produtividade;
  • aumento de 30% na satisfação dos clientes;
  • aumento de receita de 18% ao ano; 
  • 21% de ganho de lucratividade.

Os desafios enfrentados no dia a dia da liderança

Para Victor Mundin, líder de Operações e Customer Experience (suporte), os principais desafios enfrentados pelas lideranças são: 

  • definir e comunicar o que é esperado de seu time;
  • acompanhar o seu time por meio de uma trilha de feedbacks contínuos; 
  • entender a individualidade e ser empático com relação às aspirações de carreira de cada pessoa. 

“Acredito que o mais importante na visão entre líder e liderados e lideradas é a criação de um ambiente confortável psicologicamente, onde as pessoas se sentem bem e tranquilas para levantar questionamentos, discordar e co-criar. Apenas em um espaço assim que novas ideias surgem” 

VICTOR MUNDIN, LÍDER DE OPERAÇÕES E CUSTOMER EXPERIENCE

Priscilla Barella, líder de UX e Product Design, também destaca alguns dos desafios enfrentados desde que assumiu esse papel na Qulture com base nos 3cs. 

Convicção 

“Aprendi de grandes líderes que a essência do papel poderia se resumir nos famosos 3 C’s: convicção, compaixão, e consistência. Ser líder significa acreditar com todo o seu coração no que, como — e mais importante —  no por quê você está fazendo o que está fazendo. Se não houver intencionalidade e propósito na sua influência, pouco impactante serão as suas orientações e caminhos oferecidos ao seu time”, afirma. 

Compaixão 

Segundo Priscilla, a compaixão é mais do que apenas uma habilidade em empatizar e sentir os diferentes contextos dos próximos:

“Compaixão nos leva a agir. Na liderança, é importante ter compaixão para saber quais passos tomar para potencializar os passos de cada um”. 

PRISCILLA BARELLA, LÍDER DE UX E PRODUCT MANAGER

Consistência

Consistência é um dos principais desafios e lições observados por Priscilla em sua liderança:  “é preciso honrar nossas palavras e propostas dia após dia, estando dispostos e disponíveis em humildade para servir o nosso time nos caminhos corretos — mesmo em toda a dificuldade que isso requer”. 

Os aprendizados na liderança 

Não podemos mencionar o Dia do Líder sem falar sobre os aprendizados que uma liderança proporciona, não é verdade? Edoarda Malzoni, head de Marketing e SDR da Qulture, destaca que o primeiro deles foi adquirido ainda nas quadras de vôlei: o trabalho em equipe e o conhecimento de cada pessoa do time. 

“E foi aí que o jogo mudou para mim, quando entendi que o meu papel dentro de quadra ia muito além de apenas acertar um ataque ou defender uma bola, eu precisava conhecer a fundo cada integrante do time — assim eu saberia lidar com cada uma delas nas diferentes situações que passamos durante uma partida”. 

Conhecimento dos liderados e lideradas

Dentro da empresa, como isso foi aplicado? “Quando assumi a liderança na Qulture, tentei colocar isso em prática, em conjunto com todas as práticas de gestão de desempenho que fazem parte da nossa cultura organizacional. Por meio dos momentos de 1:1s, aproveitei para conhecer a fundo cada um dos meus liderados. Entender suas motivações, ambições, inseguranças, angústias, tudo que pudesse me ajudar a lidar com aquela pessoa da melhor maneira possível.”, explica. 

Ambiente de time

“Eu estava lá para dar o direcionamento, falar que estamos em A e precisamos chegar até B. No entanto, todos sempre foram muito incentivados a trazer ideias novas e opinarem em relação aos diferentes caminhos que poderíamos percorrer para chegar até B. 

E, juntos, chegamos na melhor opção. Para que as pessoas se engajem, estejam motivadas, é super importante que elas acreditem de fato no que está sendo feito. Por isso, sempre faço questão de compartilhar as decisões estratégicas com o time todo.” 

Vulnerabilidade

Por fim, Edo destaca que um dos grandes aprendizados, especialmente por ser líder de primeira viagem, é o de não temer a vulnerabilidade.

“Seja sincero quando não sabe de algo, compartilhe suas dificuldades e como você tem feito para superá-las. Isso não apenas vai te deixar mais próximo do seu time, como você também vai passar uma boa mensagem de que eles podem confiar em você quando algo estiver errado — e que você os ajudará a corrigir a rota o mais rápido possível”. 

EDOARDA MALZONI, HEAD DE MARKETING E SDR

E então, o que achou de ficar por dentro de alguns dos aprendizados apresentados pelo time da Qulture no Dia do Líder? Conforme percebemos, cada um encontra desafios próprios em seus times. No entanto, o trabalho em equipe, o engajamento dos colaboradores e colaboradoras e também o aprendizado contínuo devem ser priorizados em qualquer gestão. 

Gostou deste material? Compartilhe em suas redes sociais!