fbpx

Como o RH pode auxiliar empresas em crescimento?

Renan Araújo

empresas-em-crescimento

Empresas em crescimento precisam estar atentas às tendências do mercado, uma vez que é necessário adaptar processos e rever parte de sua estrutura para atender às novas demandas. Apesar de um 2020 desafiador, organizações que anseiam alcançar patamares mais atrativos em 2021 precisam traçar estratégias eficazes para a retenção de talentos, além de buscarem alternativas relevantes para a atração de novos profissionais.

Neste material, explicamos algumas questões que o RH deve ficar de olho para que a área acompanhe  o crescimento do negócio. Continue a leitura e saiba mais!

Investimento em tecnologia

Entre as vantagens de investir em tecnologia no RH, a otimização de tempo dos colaboradores se destaca, uma vez que tarefas manuais serão executadas por ferramentas próprias para a área. Além disso, vai haver menor incidência de erros por parte da equipe, bem como proporcionar melhor análise dos dados do setor.

A seguir, selecionamos os principais investimentos que podem ser feitos pela equipe.

Cálculo da folha de pagamento

Para que o setor se torne mais estratégico, é preciso otimizar funções que antes eram feitas de forma manual. Assim, a área tem a oportunidade de traçar estratégias que destravem o potencial humano, focando em ações de gente para a retenção de talentos, aumento da produtividade e melhor alinhamento entre empresa e colaborador.

Quanto à folha de pagamento, há a oportunidade de automatizar a função, de modo que o time apenas confira os dados dos profissionais para realizar a liberação do valor.

Distribuição de holerites

Além disso, pode realizar a distribuição de holerites de forma automatizada, com disparos feitos por e-mail a partir de ferramentas próprias para isso – assim que o salário for depositado na conta do colaborador.

Controle de férias

Ferramentas também podem contribuir para o controle de férias do profissional, contribuindo para que analistas de RH tenham acesso a:

  • períodos obrigatórios de descanso do colaborador;
  • entendimento de quando serão as férias de cada pessoa;
  • datas de pagamentos, entre outros.

Home office e trabalho híbrido

Com a evolução da pandemia da Covid-19, empresas dos mais variados setores precisaram adotar o trabalho remoto para atender a protocolos estaduais e municipais, além de conter o avanço da doença. Porém, para 96,7% das pessoas, esse será um diferencial no momento de buscar por um novo emprego. Além disso, 94,2% das pessoas desejam continuar trabalhando remotamente, devido aos benefícios que essa prática traz.

Nesse sentido, empresas em crescimento têm a oportunidade de reduzirem os seus custos com estrutura física, além de atraírem talentos independentemente de sua região – o que abre o leque de oportunidades no momento da contratação.

O que é preciso adaptar?

Ferramentas de comunicação

Primeiro, é preciso contar com ferramentas de comunicação, que contribuem para que as pessoas possam se comunicar de forma ágil e prática (Slack, Teams e Workplace, por exemplo). Além disso, é preciso fornecer algum aplicativo de videoconferência para as reuniões, como o Google Meet ou o Zoom.

Suporte ao profissional

Com o objetivo de aumentar a motivação dos colaboradores e colaboradoras e garantir engajamento nas atividades, também é indicado que ofereça suporte quanto aos equipamentos necessários para o dia a dia. Computador, cadeira ergonômica e apoio para manter uma internet de qualidade são alguns desses itens.

Adaptação de atividades comuns do RH

Atividades que até então eram feitas de forma presencial precisam ser adaptadas para o trabalho remoto. Processo de recrutamento e seleção, por exemplo. É preciso adaptar o formato para as videoconferências, além de possibilitar o cadastro de currículos em seu próprio site – estratégia que já vinha sendo adotada pelas empresas, mesmo com trabalho presencial.

Além disso, o processo de onboarding merece um cuidado especial. Afinal, a nova profissional precisa ser inserida no contexto da empresa, entender a cultura organizacional e ser apresentada aos principais times do negócio. E não deixe essa estratégia para trás: o Google, empresa que dispensa apresentações, conseguiu reduzir em até 25% o tempo em que a pessoa alcança sua produtividade máxima por meio de um onboarding bem estruturado.

Gestão de desempenho

Empresas em crescimento devem estar, mais do que nunca, atentas à gestão de desempenho dos profissionais. Trata-se do processo no qual a organização melhora seu desempenho ao longo do tempo a partir da melhora do desempenho dos colaboradores.

O Balnced Scorecard, por exemplo, define algumas dimensões do desempenho que a empresa deve avaliar em conjunto e de forma balanceada:

  • Financeira – em que nível está o crescimento do negócio, a geração de caixa, a lucratividade, entre outros pontos.
  • Clientes – como está a satisfação dos clientes em relação aos processos do negócio, aos produtos e ao atendimento.
  • Processos internos – como andam os aspectos operacionais da empresa, qual é o investimento em inovação e em novos serviços.
  • Aprendizado e crescimento – como está a satisfação dos colaboradores, quais são as suas habilidades, qual é o investimento em novos treinamentos, entre outros pontos.

Porém, no que diz respeito à área de Recursos Humanos, o desempenho que merece atenção é aquele que passa pelas pessoas da empresa.

Avaliação de desempenho

Na empresa, a gestão de desempenho é um ciclo. Ele termina e se reinicia por meio das avaliações de desempenho, que tem como objetivos principais mensurar o desempenho das pessoas de um time para facilitar as tomadas de decisão, além de fornecer insumos para que essa pessoa se desenvolva e melhore seu desempenho.

OKRs e metas

Empresas em crescimento também devem estar atentas às OKRs e metas de seu negócio. OKRs são sistemas de metas coletivas e individuais que convergem para a busca de metas globais do negócio. 

Quais as diferenças das OKRs para as metas tradicionais? As primeiras são mais transparentes, envolvendo os colaboradores no processo de formulação. Além disso, contam com ciclos mais curtos – entre 1 e 6 meses. Principalmente para as empresas que lidam com constantes mudanças, essa estratégia é essencial para acompanhar o crescimento, entender os pontos que devem ser aperfeiçoados e aqueles que podem ser potencializados.

Lideranças

Além disso, empresas em crescimento precisam traçar estratégias para que suas lideranças estejam mais próximas de seus liderados e lideradas. Entre elas, ressaltamos:

  • One-on-ones: com o desenvolvimento da empresa, é preciso estar atento ao desenvolvimento dos profissionais, aos seus desafios e às prioridades de crescimento para as suas carreiras. Por meio de reuniões periódicas entre gestão e colaboradores, vai haver um melhor fluxo de informações de baixo para cima, contribuindo para que o negócio tome decisões proativas e possa reter seus principais talentos.
  • Feedbacks contínuos: além disso, há a necessidade de estimular a prática de feedbacks contínuos. Trata-se da percepção (seja positiva, seja negativa) do trabalho de liderados e lideradas. Essa prática também pode ser estimulada na empresa como um todo, permitindo que o profissional alcance seus objetivos de maneira mais prática e orientada.
  • Reconhecimento: por fim, é indicado que reconheça as equipes pelos seus méritos, contribuindo para que busque constantemente por inovação em suas funções.

Neste material, você pôde conhecer algumas práticas importantes que devem ser consideradas por empresas em crescimento. Com a chegada de novos clientes, consequentemente é preciso contratar novos talentos. Assim, torna-se necessário que a empresa desenvolva uma cultura organizacional sólida, contribuindo para trazer pessoas boas para o time e para reter aqueles que já oferecem um bom trabalho.

Gostou do material? Assine nossa newsletter e receba os conteúdos curados e produzidos pela Qulture diretamente em sua caixa de entrada!