Qulture.Rocks se junta ao UOL EdTech. Saiba mais

Autoliderança: entenda o que é e saiba como desenvolver na equipe

Qulture.Rocks

Autoliderança - Notebook, xícara com café, bloco de notas e um smartphone sobre a mesa.

As lideranças são fundamentais para o sucesso da equipe e os objetivos estratégicos de qualquer negócio. Mas tão importante quanto ter bons líderes, é desenvolver a autoliderança nos profissionais do time para que eles possam se liderar e assumir o protagonismo da própria carreira.

Segundo o Relatório Tendências de Gestão de Pessoas em 2022, realizado pela Great Place to Work com profissionais do RH e lideranças, 39% das empresas notam uma lacuna no desenvolvimento de habilidades comportamentais em seus colaboradores.

O relatório indica que as soft skills que as empresas consideram mais importantes atualmente são a capacidade de resolver problemas complexos, de liderar e influenciar e a resiliência. Essas habilidades estão diretamente relacionadas com a autoliderança dos colaboradores.

Por isso, é importante que as lideranças e times de RH fomentem a autoliderança nos profissionais da empresa. Confira neste artigo quais são os benefícios dessa prática e como desenvolvê-la na sua equipe!

Navegue pelo conteúdo:

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

O que é autoliderança?

A autoliderança é a capacidade que uma pessoa tem de gerenciar suas habilidades e comportamentos para alcançar seus objetivos profissionais e pessoais. Por meio dela, o colaborador assume a responsabilidade da sua jornada profissional, buscando ferramentas para desenvolvê-la.

Para isso, o profissional precisa desenvolver habilidades comportamentais para lidar com pessoas, gerenciar conflitos e buscar as melhores soluções em momentos desafiadores. Segundo o relatório do Great Place to Work, essas são as habilidades comportamentais mais valorizadas pelas empresas:

  • capacidade de resolver problemas complexos;
  • capacidade de liderar e influenciar;
  • resiliência;
  • pensamento analítico;
  • pensamento crítico;
  • flexibilidade;
  • criatividade;
  • visão de mundo.

A autoliderança é uma iniciativa que parte do próprio profissional, mas que pode ser fomentada pela empresa. Dessa forma, as lideranças e o time de RH precisam elaborar estratégias e processos para capacitar e desenvolver as soft skills dos profissionais do time. Além de acelerar o desenvolvimento dos colaboradores, a empresa passa a contar com profissionais mais capacitados e estratégicos.

Quais as vantagens da autoliderança para a empresa?

A autoliderança proporciona diversas vantagens para o colaborador, que passa a gerenciar o seu crescimento profissional, cultivar relacionamentos mais saudáveis no time e ter mais satisfação no trabalho. Mas não para por aí, pois essa prática também traz benefícios para a competitividade e os resultados do negócio.

Profissionais que se autogerenciam tendem a ser mais ágeis para tomar decisões e têm uma visão analítica do trabalho e do negócio. As vantagens para as empresas que contam com esses profissionais são diversas:

  • diferenciação e competitividade no mercado por meio de talentos capacitados e que buscam desenvolvimento contínuo no negócio;
  • objetivos e indicadores mais claros e alinhados, com profissionais que possuem uma visão estratégica da empresa e do seu escopo;
  • equipes mais motivadas e engajadas que buscam soluções completas e inovadoras mesmo em situações adversas;
  • times mais colaborativos, propiciando um clima organizacional saudável e uma cultura forte na empresa.

Como desenvolver a autoliderança na equipe?

Agora que já falamos das vantagens da autoliderança para os colaboradores e para a empresa, conheça as principais ações e boas práticas para desenvolver essa habilidade nas pessoas do time.

Banner Ebook Talent Science

Autoliderança e cultura organizacional

A autoliderança está diretamente ligada a um trabalho de autoconhecimento pelos colaboradores e, por isso, não existe uma fórmula mágica para desenvolvê-la. O primeiro passo é conhecer os seus pilares:

  • autoconhecimento: para que o colaborador identifique seus objetivos, forças, fraquezas, valores, potencialidades, etc;
  • autoconsciência: entender o propósito e o que gera satisfação no trabalho é decisivo para que o profissional se desenvolva continuamente em suas áreas prioritárias;
  • autorresponsabilidade: o colaborador precisa ter disciplina e senso de responsabilidade com seus objetivos;
  • autodeterminação: confiança e resiliência são fundamentais para superar os desafios ao longo da jornada.

Sabendo disso, uma estratégia que a área de RH pode implementar junto às lideranças é associar esses pilares da autoliderança à cultura organizacional da empresa. Como a cultura tem uma forte influência no comportamento do time, é possível relacionar a autoliderança com os valores da organização.

Para fomentar a autorresponsabilidade, por exemplo, as lideranças podem reforçar valores e comportamentos ligados à autonomia e proatividade dos colaboradores.

Plano de Desenvolvimento Individual

Ainda que a autoliderança seja uma iniciativa que parte dos colaboradores, os líderes podem fomentar e acelerar essa habilidade entre as pessoas da equipe. Uma forma eficiente de fazer isso é com o PDI, também conhecido como Plano de Desenvolvimento Individual.

Com o PDI, as lideranças podem acompanhar o desenvolvimento das competências dos liderados. Essa estratégia estimula o crescimento profissional dos colaboradores, alinhando os seus objetivos aos objetivos do negócio, e é uma importante ferramenta para destravar o potencial das pessoas do time e direcioná-las para que desenvolvam cada vez mais o autogerenciamento.

Confira algumas boas práticas que podem ser compartilhadas com os liderados para a estruturação do PDI:

  • alinhar com os pares e lideranças quais são as áreas de desenvolvimento prioritárias para que os resultados e entregas sejam mais eficientes;
  • definir ações específicas e recorrentes para o desenvolvimento;
  • monitorar periodicamente o PDI para mensurar os resultados e avanços;
  • estruturar um cronograma com datas bem definidas para a execução das ações;
  • aplicar os aprendizados adquiridos durante o processo de desenvolvimento.

One-on-ones

As one-on-ones são reuniões periódicas entre líderes e liderados que possibilitam um ambiente seguro de contato entre as partes e um fluxo de informações de baixo para cima mais eficiente na organização. Assim, a empresa pode agir proativamente para solucionar os problemas mapeados.

Os colaboradores também se beneficiam com a prática das one-on-ones, que pode ser uma importante aliada no desenvolvimento da autoliderança. Com as one-on-ones, os profissionais do time podem ser ativamente ouvidos por seus líderes, levantando pautas, questões e desafios de forma proativa.

Um dos aspectos mais positivos dessa estratégia para a autoliderança dos colaboradores é que eles são responsáveis por planejar esses momentos e as pautas que vão ser discutidas, podendo abordar assuntos mais aprofundados, como perspectivas de carreira ou até mesmo questões da vida pessoal.

Além de garantir que os profissionais do time sejam ouvidos, as one-on-ones também incentivam que eles se tornem protagonistas da própria carreira e da jornada na organização. As lideranças continuam sendo importantes, direcionando e auxiliando os liderados nessa jornada de crescimento profissional e do negócio, mas  contando com equipes com mais autonomia, produtividade e motivação.


Neste conteúdo, você pôde entender o que é a autoliderança e como desenvolvê-la na equipe. Como vimos, apesar da autoliderança ser uma iniciativa que parte do colaborador, existem algumas práticas e ações que contribuem para que ela seja desenvolvida no time. No final das contas, tanto o colaborador quanto a empresa podem aproveitar os benefícios dessa soft skill.

Se você quiser saber mais sobre como desenvolver os profissionais da sua organização, continue no blog e confira o conteúdo que produzimos sobre desenvolvimento de talentos na empresa!