Qulture.Rocks se junta ao UOL EdTech. Saiba mais

Produtividade tóxica: saiba como evitar em seu time

Cintia Rodrigues

produtividade-toxica

Nos tempos atuais, estar sempre ocupado no trabalho é, em muitos momentos, um objetivo a ser alcançado. Afinal, a produtividade de uma equipe de trabalho é um fator determinante para alavancar os resultados do time e trazer maior competitividade de mercado para a empresa. 

Mas apesar dos resultados positivos gerados pela produtividade, nem sempre ela está ligada à qualidade e capacidade de entregas. Em muitas ocasiões, ela pode sinalizar um excesso de preocupação e até mesmo exaustão com as tarefas desempenhadas.


A relação direta entre alta produtividade e capacidade de uma pessoa colaboradora pode ser um erro grave e deve ter um acompanhamento mais próximo por parte das lideranças. Continue a leitura para entender mais sobre o assunto!

Navegue pelo conteúdo:

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

O que é produtividade tóxica?

De acordo com uma matéria feita pela Huffpost, a produtividade tóxica no âmbito corporativo é um desejo não-saudável de ser produtivo o tempo todo, a qualquer custo. É uma necessidade de sempre produzir além da capacidade, mesmo que isso não seja esperado de um colaborador ou colaboradora. Esse problema também pode estar relacionado ao que o filósofo Byung Chul-Han denomina como “sociedade do cansaço”, onde a rotina faz com que as pessoas estejam suscetíveis à “violência neuronal”.

Este estilo de trabalho, portanto, não é sustentável para empresa e para o funcionário. Segundo María Jesús Álava Reyes, especialista em Psicologia do Trabalho, a produtividade tóxica acontece “por medo e excesso de pressão. Produzir se torna tóxico porque esse ritmo não pode se manter ao longo do tempo e causa estragos na saúde. Também cria um ambiente tóxico porque há um descompasso entre o trabalho e o restante de sua vida”.

Relação entre produtividade tóxica e pandemia

Com a pandemia da Covid-19, iniciada em 2020, grande parte das empresas tiveram que adequar sua estrutura de trabalho para o modelo home office, o que influenciou no aumento da exaustão dos funcionários. Segundo um estudo da Capterra, sete em cada dez pessoas tiveram algum sintoma de burnout desde que começaram a trabalhar em casa, após o início da pandemia.

Outro fenômeno gerado pelo início do isolamento social foi o das demissões em massa em diversas empresas. Esse cenário de incertezas fez com que vários profissionais aumentassem sua produtividade por medo de serem desligados. 

Como identificar sinais de produtividade tóxica?

Agora que você já sabe o que é a produtividade tóxica e quais são os impactos dela na saúde mental de uma pessoa colaboradora, mostraremos os principais sinais a serem observados na sua equipe para identificar esse problema:

Banner Ebook Talent Science
  • aumento nas horas extras;
  • adiantamento constante de entregas;
  • demonstrações de estresse, negatividade ou inquietude;
  • autocobrança dos profissionais;
  • baixa autoestima profissional;
  • negligência em relação aos momentos de descanso.

Como evitar esse problema?

Como falamos anteriormente, a produtividade tóxica pode desencadear uma série de problemas para a saúde física e mental de um profissional, incluindo o burnout. Nesse sentido, o papel da liderança é essencial para que as equipes tenham maior rendimento e alcancem os resultados de forma consciente e saudável. A seguir, separamos algumas dicas para evitar essa situação na sua equipe de liderados:

Estimule momentos de pausa

Como mencionamos anteriormente, o home office tem influenciado fortemente a forma com que as pessoas têm trabalhado. Ao mesmo tempo que trabalhar em casa é uma praticidade, é também uma forma de conectar muito mais ao trabalho do que a vida pessoal. Por isso, as lideranças e o RH devem trabalhar juntas e incentivar o colaborador ou colaboradora a:

  • ter momentos de descontração com outros membros da equipe;
  • desconectar de atividades e mensagens fora do horário de trabalho;
  • fazer pequenos intervalos entre uma atividade e outra;
  • praticar atividades de lazer nos horários livres.

Pratique one-on-ones

One-on-ones são reuniões periódicas entre lideranças e pessoas lideradas e são essenciais para que a gestão entenda quais são os principais desafios enfrentados pelo profissional, além das principais percepções em relação a projetos, empresa e à própria liderança. 


Esse é um momento propício para que o líder entenda e acompanhe junto a pessoa colaboradora a quantidade de entregas, o tempo médio para executar as atividades e outros aspectos importantes. 

Entenda o clima organizacional da empresa

O Clima Organizacional é a percepção coletiva que os membros de uma organização têm a respeito do negócio. E para que uma organização tenha um bom clima organizacional, é necessário que os colaboradores e colaboradoras tenham uma percepção positiva das suas práticas, processos e políticas.

Para que as lideranças consigam, através do Clima Organizacional, entender o que leva um profissional a praticar a produtividade de forma tóxica, é importante ter ferramentas necessárias para analisar essas informações. Uma boa prática a ser adotada é a aplicação de uma Pesquisa de Clima, que ajuda a entender aspectos das equipes como: senso de justiça em relação a cargos e salários, condições de trabalho, reconhecimento sobre as atividades realizadas, dentre outros pontos relevantes.

Vale destacar que a Pesquisa de Clima por si só serve apenas como um diagnóstico. Desta forma, o próximo passo é trazer planos de ação e analisar os impactos no dia a dia da organização e nos resultados da empresa.

Neste conteúdo, você pôde aprender um pouco mais sobre o que é a produtividade tóxica, seus malefícios e o papel das lideranças para evitar esse problema. Com o as dicas que trouxemos, sua equipe alcançará os resultados necessários de forma sadia e engajada.

Gostou deste material? Para ter acesso a outras dicas e novidades como essas, assine nossa newsletter e tenha o material diretamente em sua caixa de entrada.