fbpx

People first: entenda o que é e como implementar essa cultura

Renan Araújo

Você sabe o que é people first? Buscar pelo engajamento de profissionais e para a retenção de pessoas em um time deve ser uma das principais preocupações de toda a equipe. De acordo com um estudo apresentado no relatório State of The Global Workplace, realizado em 142 países, 27% dos profissionais brasileiros são engajados, enquanto 12% são ativamente desengajados —  ou seja, espalham negatividade na equipe.

Ou seja, é um resultado que possibilita melhorias, elaboradas a partir de estratégias de gestão de desempenho e também por meio de lideranças mais próximas. Nesse contexto, a estratégia de people first se destaca. Pensando nisso, elaboramos este material para que você entenda o que é esse conceito, quais são os diferenciais e como promovê-lo. Continue a leitura e saiba mais!

O que é people first?

Traduzido de forma literal, people first significa “pessoas primeiro”. Nas empresas, como o próprio nome já diz, trata-se de um conjunto de estratégias que contribuem para que as pessoas estejam sempre em primeiro lugar no planejamento.

Por algum tempo, a ideia de lucro era a que permeava grande parte das organizações. Porém, nos últimos anos, um novo modelo de gestão começou a ganhar evidência. Em algumas literaturas, também é conhecido como H2H (human to human), o que sinaliza que as relações são entre pessoas e que merece atenção por parte das empresas.

Quando falamos de pessoas em primeiro lugar, não estamos nos referindo apenas aos clientes. As ações também precisam ser voltadas aos colaboradores, de modo que proporcione mais engajamento, produtividade e, consequentemente, retenção —  um dos grandes desafios para as gestões.

Como o people first é aplicado nas empresas?

Por essa razão, é essencial entender como o people first é aplicado nas empresas, de modo que a gestão coloque profissionais como prioridade no planejamento e usufrua dos ganhos que essas ações trazem. A seguir, selecionamos algumas práticas. Confira!

Lideranças empáticas

De acordo com um estudo realizado pela consultoria BambooHR, ao contrário do que muita gente pensa, grande parte dos pedidos de demissão não parte devido ao salário. 44% das pessoas pesquisadas afirmaram terem solicitado o desligamento devido a um “chefe tóxico”, que tirava a motivação no dia a dia de trabalho. Entre os motivos apresentados no estudo, 20% dos profissionais afirmaram que o chefe roubava crédito pelo trabalho feito, não reconhecendo as práticas executadas.

Por essa razão, para implementar a cultura de people first no negócio, é preciso que as lideranças sejam empáticas. Para isso, o ideal é estabelecer uma conexão mais próxima com liderados e lideradas.

As one-on-ones, por exemplo. Tratam-se de reuniões periódicas entre gestão e profissionais para alinharem objetivos, conhecer os desafios da pessoa na sua rotina, além de aperfeiçoar o fluxo de informações de baixo para cima — consequentemente, a empresa tem a oportunidade de contar com estratégias pró-ativas em vez de reativas.

Dessa forma, há uma comunicação mais aberta entre ambos, além de trazer um sentimento de pertencimento e valorização por parte do colaborador.

Clima organizacional positivo

Além disso, é preciso ter o entendimento de como está o clima organizacional de sua empresa. Clima organizacional é a percepção dos colaboradores em relação às políticas, práticas e processos do negócio em relação aos mais diversos pontos (salário, lideranças, justiça em relação a méritos e promoções, trabalho em equipe etc.).

A empresa que deseja colocar os profissionais em primeiro lugar, naturalmente precisa entender sobre a sua percepção em relação aos mais variados temas. Para isso, é preciso aplicar a pesquisa de clima organizacional, que trará esse diagnóstico para as lideranças.

A partir disso, existe a necessidade de traçar estratégias para aperfeiçoar esse clima caso ele esteja negativo, além de estudar as alterações feitas trouxeram resultados efetivos ao negócio.

 Desenvolvimento

Preocupar-se com o desenvolvimento das pessoas também deve ser um ponto de atenção para as equipes que desejam fortalecer a cultura de people first. Para isso, é interessante que as lideranças tracem junto aos profissionais, um Plano de Desenvolvimento Individual, também conhecido como PDI.

Por meio dele, o profissional tem a oportunidade de escolher um ponto que deseja se aperfeiçoar, tendo como apoio a própria liderança, que vai auxiliar na formulação de um plano de ação que contribuirá para alcançar esse objetivo.

Essa estratégia trará ao colaborador maior senso de pertencimento e de responsabilidade, além de possibilitar mais satisfação com a sua carreira e crescimento dentro do negócio.

Reconhecimento

Conforme abordado mais acima, a falta de reconhecimento por parte das lideranças aos colaboradores é entendida como uma das principais razões para que solicitem desligamento da organização. De acordo com um levantamento feito pela BCG, apreciação e reconhecimento são considerados como alguns dos principais drivers de “felicidade no trabalho”.

Além disso, segundo um estudo de 2014 feito pela SHRM, 41% das empresas que implementaram algum tipo de reconhecimento entre pares perceberam melhorias nos resultados e também na satisfação dos consumidores.

Por essa razão, as lideranças devem se preocupar em reconhecer o trabalho exercido pelos seus liderados e lideradas, estimulando-as a buscarem continuamente por inovação e melhorias em suas funções. Sobre o reconhecimento, Sam Walton, fundador da Wal Mart, afirma: “Appreciate everything your associates do for the business. Nothing else can quite substitute for a few well-chosen, well-timed, sincere words of praise. They’re absolutely free and worth a fortune.”

Quais são os principais benefícios da cultura de people first para a empresa?

A seguir, selecionamos alguns dos principais benefícios de uma cultura de people first para a empresa. Veja!

Maior retenção de talentos

Conforme dito, a retenção de talentos é um dos desafios para as empresas. Para se ter uma ideia, no Brasil, a taxa de turnover (que mede justamente a rotatividade dos profissionais em um negócio), é de 82%, considerada bastante alta. Entre os impactos que isso pode gerar para a empresa, além da perda de capital humano, destacamos os altos valores gastos com treinamentos de novos profissionais, além dos custos com demissão e contratação de pessoas.

As estratégias de people fist trarão maior engajamento para os profissionais de um time, além de reconhecimento pelo trabalho exercido. Consequentemente, vai haver menor interesse das pessoas em buscarem por outras oportunidades, uma vez que a sua empresa se torna um lugar atrativo de se trabalhar.

Fortalecimento da marca empregadora

Hoje, existem canais na internet nos quais profissionais têm a oportunidade de relatarem suas percepções em relação à empresa. Nesses portais, elas definem como é trabalhar naquele local, quais são os prós e contras, além de trazerem pontos de melhoria.

Caso a visão seja negativa por parte dos antigos profissionais, pode se tornar um gargalo para encontrar novos talentos. Nesse sentido, desenvolver ações de people first contribuirá para o fortalecimento da marca empregadora, o que possibilita não apenas a retenção de talentos, como também a atração de novas pessoas para o time.

Contribui para o alcance de metas

Como dito, vai haver um acompanhamento mais próximo por parte das lideranças em relação aos projetos individuais de cada pessoa, aos seus desafios e às oportunidades de carreira. Consequentemente, há mais possibilidades para que as pessoas alcancem os resultados esperados, o que também possibilita que a empresa se destaque no mercado.

Quais empresas que se destacam quando mencionamos sobre people first?

Confira, a seguir, dois exemplos de empresas que se destacam quando abordamos sobre people first!

Natura

Natura, empresa do ramo de cosméticos, é uma das que conta com estratégias bem eficazes de people first. Em suas ações, existe a preocupação de focar no bem-estar de colaboradores, seguindo sempre o lema “bem estar bem”. Ou seja, valorizando cada profissional para aumentar o sentimento de pertencimento na organização.

Em suas estratégias, assume um compromisso de comercializar produtos e serviços que possam proporcionar às pessoas uma experiência mais harmônica. Além disso, assume o desafio de expressar a sua cultura por meio das pessoas, das experiências, do valor e dos conceitos.

O vídeo, a seguir, expressa bem essa mensagem: “Cada pessoa é um mundo. E todo mundo importa”.

Nubank

Entre as startups brasileiras mais cobiçadas pelos profissionais, a Nubank está na liderança do ranking. De acordo com David Vélez, fundador e CEO da empresa, ” acreditamos que um ambiente de trabalho seguro, inclusivo e respeitoso que estimula a inovação e que busca o desenvolvimento profissional de todos em nossos times é o caminho da transformação que estamos liderando”, o que comprova a atenção voltada pela empresa às pessoas.

Em 2020, a empresa considerou 100% de seus profissionais como elegíveis ao programa de bonificação em ações. Vélez destacou que essa estratégia “gera um índice de engajamento alto, de 82%, e uma rotatividade de pessoal baixíssima, de 5%, mesmo em um ano tão desafiador como 2020”.

Veja o que as próprias pessoas falam sobre a cultura da Nubank:

Neste material, você pôde entender o que é people first, quais são os diferenciais de considerar essa cultura, além de dicas de como aplicá-la. Conforme vimos, buscar pelo engajamento das pessoas é um fator importante para reduzir a rotatividade do time e, consequentemente, aperfeiçoar os resultados.

Para isso, é essencial buscar por ações de gestão de desempenho. Se você deseja saber um pouco mais sobre o tema, confira um material completo sobre o assunto!