Qulture.Rocks se junta ao UOL EdTech. Saiba mais

Presenteísmo: o que é, causas e impactos

Renan Araújo

Presenteísmo - Conjunto de pessoas em um campo aberto

Diversos fatores podem impactar as taxas de turnover, absenteísmo e a produtividade da equipe. O presenteísmo é um deles. Sabemos que o absenteísmo é a ausência do colaborador ou colaboradora da empresa, seja atraso, seja falta. Porém, o presenteísmo ocorre quando o funcionário está presente nas dependências da organização — em casos de trabalho remoto, está disponível nos principais canais de comunicação —, porém está desconcentrado e não executa as demandas de forma positiva.

Esse é um gargalo que deve ser evitado pelas organizações. Neste conteúdo, a gente explica detalhadamente o que é o presenteísmo, quais são as suas causas e como evitá-lo. Continue a leitura e saiba mais!

Navegue pelo conteúdo:

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

O que é o presenteísmo e quais são as suas principais causas?

Conforme abordado, o presenteísmo é uma forma de ausência do colaborador. Apesar de ele estar presente fisicamente na empresa (ou nos canais de comunicação), a pessoa não executa as suas tarefas conforme o alinhado com as lideranças, além de não se dedicar a entregar um trabalho de qualidade.

Com o objetivo de que a empresa possa melhorar o seu desempenho, é preciso se preocupar com o desempenho dos colaboradores. Quanto mais elevado é o desempenho das pessoas, melhores serão os resultados — o que enfatiza a necessidade de estar atento ao presenteísmo.

A seguir, elencamos algumas das principais causas do presenteísmo.

Problemas não relatados pelo profissional

Especialmente em um contexto no qual a sociedade passa por um período atípico (a pandemia da Covid-19, por exemplo), profissionais podem ser acometidos com problemas e não relatá-los às suas lideranças diretas — impedindo que a empresa possa auxiliá-lo em um período complicado.

Volume alto de demanda

Caso o volume de demanda esteja acima daquele que a pessoa possa comportar, além de não haver qualidade no que é entregue, algumas tarefas podem acabar sendo deixadas de lado. Consequentemente, isso gera estresse e ansiedade no profissional, o que poderia acarretar em insatisfação e desmotivação.

Insatisfação com o cargo

Lideranças precisam ficar atentas, ainda, com o trabalho realizado pelo colaborador. Caso a pessoa considere que não está sendo desafiada — ou, pior, que o seu trabalho é desvalorizado na empresa —, esse é um outro fator que também traz os riscos de desmotivação com as demandas executadas.

Quais são os efeitos do presenteísmo?

De acordo com uma pesquisa realizada pela International Stress Management Association no Brasil, elaborada com cerca de 1000 profissionais com idades entre 25 e 60 anos, 89% das pessoas afirmaram que o comportamento presenteísta acompanha dores musculares e dores de cabeça constantes.

Além disso, 86% dos colaboradores afirmaram ter problemas com ansiedade, enquanto 81% disseram se sentir angustiados de forma contínua. Ainda segundo o ISMA-BR, aproximadamente 23% da população adulta é presenteísta — e esse número se torna ainda mais preocupante quando analisado o setor industrial: 35%.

Os efeitos do presenteísmo também afetam as empresas, dos pequenos negócios até as multinacionais. Por ser um fenômeno silencioso, gera bilhões em prejuízos nas organizações pelo mundo. Os estudos do ISMA apontaram, por exemplo, que o presenteísmo gera perdas de cerca de US$ 42 bilhões/ano para as empresas brasileiras.

No dia a dia de trabalho, o presenteísmo compromete a qualidade dos entregáveis dos colaboradores, que não performam de forma produtiva e com foco na excelência.  Além disso, afeta negativamente o clima organizacional da empresa e o bem-estar no trabalho, dificultando a retenção dos talentos, que se sentem desmotivados e ficam mais propícios a buscarem novas oportunidades.

Como evitar o presenteísmo?

Agora que você já sabe o que é o presenteísmo e quais são algumas das suas principais causas, chegou o momento de entendermos como é possível evitá-lo. Confira!

Banner Ebook Talent Science

One-on-ones

One-on-ones são reuniões periódicas entre lideranças, liderados e lideradas. Um dos principais benefícios de realizá-las na equipe é possibilitar um fluxo de informações de baixo para cima — ou seja, das pessoas para a sua gestão. Conforme vimos, algumas das causas do presenteísmo estão ligadas à falta de comunicação entre profissionais e lideranças — alto volume de demandas, por exemplo —, o que poderia ser resolvido com o estabelecimento de prioridades para o colaborador.

Além disso, devemos destacar que as one-on-ones não se restringem apenas às demandas profissionais. Se os liderados estiverem com alguma questão pessoal pendente, esse é o momento em que ele vai se abrir com a sua gestão, contribuindo para que ambos elaborem um plano de ação para as suas demandas — uma vez que, naturalmente, a produtividade pode ser impactada nesse período.

Entre os diferenciais de investir nas one-on-ones, destacamos:

  • a sensação, para o colaborador, de que a empresa se preocupa com ele no nível pessoal;
  • o sentimento de que há uma atenção voltada para o seu desenvolvimento e para a sua carreira;
  • a oportunidade de ele ser ouvido no ambiente profissional.

Feedbacks

Feedback é o processo no qual uma pessoa contribui para que a outra possa se desenvolver a partir de suas próprias percepções, negativas ou positivas. Na one-on-one, por exemplo, é um momento em que tanto liderança quanto liderados e lideradas têm a oportunidade de oferecerem feedbacks sobre a atuação de ambos no dia a dia, o que permite trazer melhorias para resultados individuais — e, consequentemente, melhorias para os resultados da empresa.

Entre os diferenciais de investir em feedbacks contínuos na empresa, destacamos:

  • orientação aos colaboradores sobre o melhor caminho a seguir em diferentes projetos;
  • melhorias para o desenvolvimento da empresa;
  • mais desenvolvimento ao colaborador. 

No caso do presenteísmo, se a pessoa estiver insatisfeita com o seu cargo ou com as suas demandas, por exemplo, ela transmitirá essa percepção para a sua liderança. Dessa forma, existe a possibilidade de elaborar algum projeto que traga mais motivação para esse profissional e que, ao mesmo tempo, contribua para os objetivos do time ou da empresa.

Plano de Desenvolvimento Individual (PDI)

Como vimos, a desmotivação com o trabalho é uma das principais causas do presenteísmo, pois colaboradores que não são desafiados ou se sentem desvalorizados são mais propensos a serem improdutivos. Por isso, o PDI pode ser um importante aliado para otimizar o desempenho e aumentar a motivação na equipe.

O PDI é uma ferramenta que possibilita que as lideranças monitorem o desempenho e o desenvolvimento de competências das pessoas do time. Essa estratégia gerencia o crescimento dos profissionais, alinhando os objetivos do colaborador com as metas do negócio. Dentre os benefícios de adotar o PDI, destacamos:

  • Aumento da produtividade: esse modelo de liderança participativa no desenvolvimento das pessoas tem influência direta no engajamento;
  • Melhor cumprimento de metas: através do PDI, os profissionais entendem os seus pontos de desenvolvimento, gerando entregas cada vez mais eficientes;
  • Aproximação entre líderes e liderados: como as estratégias de desenvolvimento são definidas e monitoradas em conjunto, há um maior alinhamento entre as partes.

Dessa forma, o PDI potencializa o trabalho de toda a equipe, destrava o potencial humano das pessoas do time e favorece a cultura de alta performance na organização.

Pesquisa de Clima Organizacional

Clima organizacional é a percepção de colaboradores e colaboradoras em relação às políticas, práticas e processos do negócio. Trata-se de um construto. Isto é, um conceito criado a partir de outros conceitos. É um conjunto de percepções das pessoas em relação a alguns aspectos de sua experiência, como:

  • remuneração e benefícios;
  • justiça em relação a méritos e promoções;
  • oportunidades de crescimento profissional;
  • trabalho em equipe;
  • liderança direta, entre outros.

Para entender como anda o clima organizacional de seu negócio, o ideal é aplicar a Pesquisa de Clima Organizacional. Trata-se de uma pesquisa aplicada para uma amostra ou para 100% de seus colaboradores que conta com algumas afirmativas a serem avaliadas.

Porém, deve-se destacar que o resultado dessa pesquisa é apenas um diagnóstico dessa percepção. Para trazer melhorias para o dia a dia da empresa (e consequentemente evitar gargalos como o presenteísmo), o próximo passo para o RH e para as lideranças é elaborar um plano de ação para os pontos analisados e avaliar:

  • Se as ações trouxeram impactos para o clima organizacional da empresa;
  • Se houve impacto para os resultados do negócio como um todo.

Sentimento do colaborador

Hoje, existem ferramentas que permitem às lideranças entenderem sobre o sentimento do colaborador em um período específico. Caso ele esteja negativo por algumas semanas pontuais, a gestão tem a oportunidade de identificar a causa raiz e auxiliar aquela pessoa em suas possíveis dificuldades, independentemente quais sejam elas.


Neste conteúdo, você pôde entender o que é o presenteísmo, quais são os seus impactos para as pessoas, suas causas e formas de evitá-lo. É interessante, ainda, que as lideranças acompanhem a evolução dos colaboradores que apresentem alguns dos pontos relatados, especialmente quando elaboram planos de ação. Por essa razão, ter o acompanhamento de perto sobre como ele está se sentindo e o que mudou depois das estratégias traçadas permitirá melhores resultados.

Ao longo do material, mencionamos brevemente sobre motivação das pessoas em um negócio. Para saber tudo sobre o tema, continue no blog e acompanhe nosso outro material!