fbpx

Entenda os problemas da falta de saúde mental nas empresas

Renan Araújo

saúde mental nas empresas

Devido ao Setembro Amarelo — campanha de prevenção ao suicídio da ABP junto ao Conselho Federal de Medicina —, é importante trazer discussões sobre saúde mental nas empresas e os efeitos que a falta dela traz para as suas equipes. Existem alguns fatores que influenciam negativamente nesse sentido, como assédio, excesso de tarefas, microgerenciamento, clima organizacional ruim, bem como uma cultura organizacional tóxica.

Neste material, a gente traz algumas estatísticas a respeito do tema, além de explicar reflexos da falta de saúde mental nas organizações. Continue a leitura e saiba mais!

Estatísticas sobre saúde mental

A seguir, selecionamos alguns dados e estatísticas sobre saúde mental no Brasil e nas empresas como um todo. Confira!

Estresse está presente nas organizações

De acordo com um estudo realizado pela Capita Employee Solutions, o estresse está mais presente nas organizações do que se imagina. No estudo, foi constatado que:

  • 79% das pessoas afirmaram ter sofrido estresse nos últimos 12 meses;
  • 22% dos colaboradores disseram estar estressado com frequência ou em boa parte do tempo;
  • 45% consideram deixar um emprego se a carga de estresse for alta;
  • 47% consideram normal ter estresse no dia a dia de trabalho;
  • 53% já presenciaram situações em que colegas foram forçados a deixar o trabalho devido ao estresse.

Profissionais com estresse contaminam as pessoas à sua volta

De acordo com o mesmo levantamento, pessoas de uma mesma equipe são contaminadas quando há um elevado índice de estresse nos times. No estudo, constatou-se que:

  • 44% afirmaram estar mais irritados por esse motivo;
  • 25% das pessoas aumentaram o consumo de álcool;
  • 15% afirmaram que houve aumento no consumo de cigarro.

Houve piora na saúde mental durante a pandemia

A pandemia fez com que as pessoas readequassem completamente as suas rotinas. Empresas dos mais variados nichos de atuação e tamanho precisaram se adaptar para o trabalho remoto, além de profissionais terem cortado algumas atividades de lazer devido às medidas de distanciamento.

Tudo isso afetou diretamente a saúde mental das pessoas. Um estudo realizado pelo Instituto Ipsos, encomendada pelo Fórum Econômico Mundial, constatou que 53% de brasileiros declararam que o bem-estar piorou um pouco ou muito no último ano. Número que só é maior em quatro países: Itália (54%), Hungria (56%), Chile (56%) e Turquia (61%).

Transtornos afetam diretamente brasileiros

Além disso, deve-se destacar que problemas de saúde mental têm se tornado cada vez mais comuns entre brasileiros. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 86% das pessoas de nosso país sofrem com algum transtorno mental:

  • 37% estão com estresse severo;
  • 63% estão com níveis de ansiedade mais altos do que o normal.

E algumas das pressões mais fortes, de acordo com o mesmo levantamento, vêm justamente do ambiente de trabalho: 20% de profissionais ativos estão trabalhando sob forte pressão emocional, enquanto 32% dos brasileiros sofrem com os efeitos do estresse — sendo esse um dos primeiros sinais do burnout.

Quais os efeitos da falta de saúde mental nas empresas?

Burnout

Conforme mencionamos, o estresse pode ocasionar a síndrome de burnout, cujos principais sintomas são cansaço excessivo, insônia, negatividade, sentimentos de insegurança e fracasso, sentimentos de incompetência, entre outros.

Esse efeito foi bem mais percebido durante a pandemia. Segundo uma pesquisa encomendada pela Microsoft e realizada pela empresa de análises Harris, cerca de 33% das pessoas que trabalham remotamente dizem que a falta de separação entre trabalho e vida pessoal tem afetado diretamente o bem-estar.

Entre os países pesquisados, o Brasil esteve no topo: 44% afirmaram que a pandemia aumentou essa sensação de exaustão. Depois, vêm Singapura (37%) Estados Unidos (31%), Índia (29%) e Austrália (28%).

Estresse

O estresse nas empresas pode ocasionar em queda de produtividade, altas taxas de turnover e absenteísmo. E o Brasil conta com uma das taxas mais altas do mundo de estresse: 70% da população ativa já enfrentou ou enfrenta sintomas, de acordo com o levantamento da Associação Internacional de Gerenciamento de Estresse no Brasil.

A pandemia também trouxe reflexos nesse sentido. O IPCS (Centro Psicológico de Controle do Estresse), constatou que 60% estão mais estressadas, 57,5% mais ansiosas e 26% em depressão.

Desmotivação

A falta de saúde mental ainda gera desmotivação e clima organizacional negativo nas empresas. Entre as consequências que isso traz para as equipes, destacamos:

  • baixa produtividade;
  • atrasos contínuos;
  • preocupação excessiva das pessoas com o salário;
  • dificuldade de trabalhar em equipe;
  • empresa inova menos; entre outros.

RH: também esteja atento à sua saúde mental!

Muito se fala da importância de o RH buscar ações para a saúde mental das pessoas de uma empresa. Porém, é importante cuidar de quem também cuida de times. Por isso, tenha atenção com as rotinas da equipe, entenda se há sobrecarga de tarefas e não deixe de estimular o próprio RH na busca por atividades prazerosas, além de sempre recorrer a um apoio profissional quando identificar necessário.

Saúde mental nas empresas é um assunto que deve ser constantemente debatido, não apenas durante o mês de setembro. Portanto, de forma contínua, aplique pesquisas na organização para identificar a percepção de pessoas em relação às políticas, práticas e processos do negócio, com o objetivo de identificar gargalos e propor soluções para o bem-estar das pessoas.

Se você deseja saber mais sobre o tema, continue no blog e acompanhe um material que produzimos sobre o assunto!