fbpx

Como montar um comitê de diversidade na empresa? Confira nossas dicas!

Renan Araújo

comite de diversidade

Investir em diversidade nas organizações deve ser uma das prioridades para as empresas. Hoje, tanto a sua equipe escolhe por um ou uma colaboradora quanto essa pessoa opta pelo seu time em um processo seletivo — e empresas mais diversas estão entre os critérios analisados pelas candidatas. Nesse sentido, contar com um comitê de diversidade contribuirá para que as ações de fato sejam discutidas na organização, além de acompanhar continuamente o impacto que elas trazem para os resultados do negócio.

Pensando nisso, elaboramos este conteúdo para que você confira sobre a importância de debater o tema na empresa, dicas de como estruturar um comitê, além de ressaltar sobre os ganhos que ele trará para o seu time. Continue a leitura e saiba mais!

Qual é a realidade da diversidade nas organizações no país?

Primeiro, vamos entender sobre a realidade da diversidade nas empresas do Brasil. Segundo estudos feitos pela 1ª consultoria de engajamento do Brasil (Santo Caos), aproximadamente 41% das pessoas que pertencem à comunidade LGBT já sofreram algum tipo de discriminação em suas equipes. Além disso, 61% das pessoas preferem esconder a sua orientação sexual de seus colegas de trabalho, com receio de que isso provoque algum tipo de problema ou discussões.

Esse mesmo estudo também trouxe um panorama sobre as lideranças. De acordo com o levantamento, 33% das organizações no país preferem se esquivar de contratar pessoas LGBTs para cargos de chefia ou que estejam à frente de alguma equipe ou projeto.

Ainda, um levantamento realizado pelo Instituto Ethos com cerca de 500 empresas brasileiras constatou que apenas 2% dos colaboradores das organizações brasileiras são pessoas com deficiência. Quando o recorte é feito com mulheres, apenas 13,6% das vagas executivas são ocupadas por esse gênero, enquanto seu salário é, em média, 30% que o dos homens na mesma posição.

Pessoas pretas também não ocupam cargos executivos: apenas 4,6% estão nesta posição. No estudo, não se constatou pessoas indígenas em cargos executivos.

Como estruturar um comitê de diversidade?

Depois de todo esse contexto, se torna essencial estruturar um comitê de diversidade para garantir que essas pautas sejam discutidas e que ações sejam elaboradas para transformar o cenário de nosso país. A seguir, selecionamos algumas das principais dicas. Confira!

Conheça o cenário de seu negócio antes de iniciar

Antes de mais nada, existe a necessidade de conhecer o cenário da empresa antes de iniciar o comitê de diversidade e inclusão. Para isso, é importante realizar um censo em seu negócio, de modo que entenda quais serão os focos iniciais de investimento.

A equipe de RH vai, então, aplicar um questionário para toda empresa responder de forma anônima, onde as pessoas terão a oportunidade de ressaltar qual é a identidade de gênero, raça, etnia, religião etc. Dessa forma, o time vai se basear em números (e não em achismos) para verificar quais são as necessidades da organização e quais são as minorias que estão em defasagem no negócio.

Estruture um comitê diverso

Pode parecer uma dica óbvia, mas um comitê diverso fará toda a diferença para que todas as pautas sejam debatidas com prioridade. É importante, nesse sentido, que haja a representação de pelo menos uma pessoa de cada minoria dentro da equipe, de modo que todas(os) as(os) profissionais possam dividir as responsabilidades para que ninguém se sinta sobrecarregado.

O comitê deve ser uma prioridade das pessoas participantes

É importante que o comitê seja enxergado como uma prioridade para as pessoas que participarem do time. Caso contrário, as chances de as ações não saírem do papel aumentam consideravelmente, o que tornaria a presença de um squad para discutir esses temas seja desnecessária.

Sendo assim, é essencial que as pessoas discutam com suas lideranças antes de assumir essas responsabilidades. Precisa ser alinhado com a gestão que vai haver momentos que serão necessários um foco maior para o comitê, especialmente quando ocorrer eventos específicos para engajar o restante da empresa nas pautas.

Tenha um plano de ação

Assim como qualquer outra estratégia definida pelo seu negócio, é importante elaborar um plano de ação para que haja êxito com as iniciativas propostas. Ao realizar o censo da empresa, a equipe terá o entendimento de quais são os focos iniciais que estão em defasagem no negócio.

Além disso, é preciso ampliar as discussões sobre esse censo. Entenda: de nada adianta contar com muitas mulheres em seu quadro de profissionais se há poucas em cargos de liderança. Ou, ainda, ter muitas pessoas pretas e LGBTs como assistentes e/ou estagiários, enquanto uma minoria é analista ou ocupa um cargo de gestão.

Também é importante que a diretoria compre essa ideia. Vai haver a necessidade de realizar investimentos para diferentes tipos de ação, como reformulação do recrutamento e seleção, estabelecer critérios mais específicos para promoções, realizar uma política de benefícios que seja de fato inclusiva (licença paternidade é um exemplo) — bem como contar com uma política que puna qualquer tipo de discriminação e assédio.

Eleja uma liderança para o comitê

A presença de uma liderança para o comitê será importante para que a empresa como um todo tenha uma visão mais clara sobre as estratégias que estão sendo priorizadas, além de também reportar para a diretoria os objetivos do time, quais são as necessidades de investimento, como a atuação do grupo vem impactando os resultados da organização, entre outros pontos relevantes.

Trabalhe em parceria com o RH

Trabalhar em parceria com o RH contribuirá para algumas reformulações de processos — recrutamento e seleção, como mencionamos. Nesse sentido, a área deverá ser uma importante aliada para o comitê, uma vez que há indicadores do setor que também poderão sofrer impactos positivos com as ações implementadas — turnover, absenteísmo, adesão aos processos seletivos etc.

Neste conteúdo, você pôde entender o que é o comitê de diversidade, quais são os diferenciais de contar com um time como esse na empresa, além de conferir dicas de como estruturá-lo. Antes de implementar qualquer tipo de ação, é importante contar com um bom planejamento e fazer uma análise prévia dos números — o que permitirá entender o impacto que as ações ocasionaram em diferentes áreas do negócio.

Se você deseja saber um pouco mais sobre a diferença entre diversidade e inclusão, continue no blog e acompanhe outro conteúdo que produzimos sobre o tema!