Qulture.Rocks se junta ao UOL EdTech. Saiba mais

Ownership: entenda o que é, diferenciais e como desenvolvê-lo

Renan Araújo

Ownership - Equipe trabalhando em conjunto em uma mesa

Traçar estratégias para aumentar o engajamento de profissionais deve ser uma preocupação de toda equipe. No Brasil, apenas 27% das pessoas são ativamente engajadas, enquanto 12% são ativamente desengajadas (ou seja, desestimulam outras pessoas do time). Sendo assim, é preciso que as empresas busquem por ações que contribuirão para o sentimento de pertencimento dos profissionais, além de promover um espaço organizacional atrativo para trabalhar. Nesse contexto, o conceito de ownership se destaca.

Pensando nisso, elaboramos este material para que você entenda o que é esse conceito, confira algumas estratégias para promovê-lo, além de dicas sobre como a gestão de desempenho contribuirá nesse sentido. Continue a leitura e saiba mais!

Navegue pelo conteúdo:

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

O que é ownership?

Em uma tradução literal, ownership significa “propriedade”. No contexto corporativo, trata-se de um conjunto de estratégias que contribuirão para que as pessoas de um time tenham “sentimento de dono”. 

Desse modo, a sua equipe contará com pessoas engajadas e satisfeitas em suas funções. Para isso, o ideal é entender quais são as características dos colaboradores que já tenham esse sentimento, como eles tomam decisões e se comunicam — assim, você terá a oportunidade de ampliar ao restante da organização. 

Pessoas que tenham senso de ownership agem em suas funções como se elas fossem donas da empresa, independentemente de qual seja o seu cargo ou responsabilidades. Além disso, contam com algumas características, como:

  • proativas para proporem novas soluções para a empresa, buscando sempre se capacitarem para entregar melhores resultados;
  • orientadas a dados, de modo que tomam decisões baseadas em números para aperfeiçoá-los constantemente;
  • mais flexíveis para mudar a sua rotina;
  • fiéis à empresa — portanto, não pensam em buscar por novas oportunidades;
  • escutam com atenção às demandas do negócio, seja de seus colegas, seja dos clientes;
  • responsivas — caso chegue uma demanda diferente daquilo que faz no dia a dia, tentará resolver mesmo que não seja de seu escopo.

Desenvolver o sentimento de ownership nas pessoas, portanto, não se trata de fornecer parte das ações financeiras da empresa. É uma atitude emocional, que pode ser desenvolvida pelas lideranças diretas e indiretas. Resumindo, é o significado de “vestir a camisa” da empresa.

Quais são as vantagens do ownership nas empresas?

A seguir, selecionamos algumas das principais vantagens de desenvolver o senso de onwership nas empresas. Confira!

Mais engajamento

Mencionamos sobre engajamento no início deste material. A pessoa que tem o sentimento de dono, consequentemente terá mais motivação para as suas funções, contribuirá para um clima organizacional mais positivo, além de buscar sempre traçar metas e objetivos mais desafiadores para as suas tarefas.

A empresa também contribuirá para os próprios colaboradores: quanto mais engajados e satisfeitos, menor será o desgaste mental. Naturalmente, contará com mais qualidade de vida, o que traz melhorias para a imagem de seu negócio.

Mais autonomia

Além de garantir mais produtividade, a autonomia nas empresas traz os seguintes diferenciais:

  • aumento na produtividade, pois a burocracia será reduzida;
  • agilidade nos processos;
  • possibilidade de as pessoas desenvolverem novas habilidades;
  • melhorias no ambiente de trabalho como um todo; entre outros.

Pessoas com senso de ownership serão naturalmente mais autônomas, tendo flexibilidade para agir nas mais distintas situações, além de tomarem decisões mais efetivas — justamente por se basear em dados.

Melhorias nos resultados da empresa

Todos os fatores anteriores contribuirão para trazer melhorias nos resultados da empresa. Os clientes ficarão mais satisfeitos, pois vai haver maior qualidade no trabalho executado. Além disso, as pessoas de seu time estarão dispostas a desenvolverem outras funções e realizarem transições de cargos — contribuindo para o desenvolvimento de um profissional mais completo.

Você também pode gostar destes conteúdos:
👉 Lifelong learning: entenda por que adotar o aprendizado contínuo em sua empresa
👉 Microlearning: entenda o que é e saiba como aplicar na empresa
👉 Aprendizagem adaptativa: entenda a importância para as empresas

Como desenvolver o senso de ownership nas empresas?

Agora que você já sabe o que é e as vantagens de contar de desenvolver o senso de ownership nas equipes, chegou o momento de explicarmos como é possível desenvolvê-lo. Veja!

Tenha um bom planejamento

Assim como em qualquer outra estratégia, é preciso traçar um planejamento para adotar as outras ações que apresentaremos a seguir. Reúna com as suas lideranças, entenda quais são as ações a serem tomadas de imediato e apresente as propostas pensadas até então para a sua equipe.

Entenda quem são os high performers

Adote ferramentas na empresa que contribuam para que as lideranças entendam quem são os high performers da equipe. Conforme abordamos, ao conhecer as características dessas pessoas, o modo como elas trabalham e o que traz o seu engajamento, existe a possibilidade de replicar para todo o time, além de priorizar esse perfil no momento das contratações.

Um dos caminhos para essa identificação é por meio da avaliação de desempenho com 9-box. Trata-se de uma avaliação estruturada do desempenho individual do profissional em determinado período de tempo. Em relação ao 9-box, é uma ferramenta que contribui para analisar de forma mais detalhada o resultado da pessoa avaliada — e tem como diferencial ser uma solução mais visual.

Além de servir de insumos para definir promoções, treinamentos e demissões, também contribui para outras estratégias da empresa. Se elas estiverem satisfeitas, a análise desse grupo de pessoas possibilitará o entendimento do que pode ser replicado em outros times. 

Faça pesquisa de clima organizacional

Mas como entender se elas estão satisfeitas? Por meio da pesquisa de clima organizacional. Clima organizacional é a percepção que as pessoas do negócio têm em relação às políticas, práticas e processos da empresa.

Normalmente, é dividida em dimensões — ou temas. Em casa uma delas, há uma avaliação em uma escala chamada de Likert, de 5 pontos. Nela, as respostas vão de “Discordo totalmente” a “Concordo totalmente”.

Entre as afirmativas que podem ser utilizadas, destacamos:

Banner Ebook Talent Science
  • Aqui na empresa, as pessoas são reconhecidas pelo seu trabalho;
  • Aqui na empresa, as lideranças oferecem apoio aos seus liderados e lideradas;
  • Aqui na empresa, somos remunerados de maneira justa;
  • Aqui na empresa, nossos equipamentos são adequados.

Adote uma cultura de feedback

Feedback é um processo no qual uma pessoa contribui para que a outra possa se desenvolver a partir de suas próprias percepções, sejam negativas, sejam positivas. Quanto mais feedbacks trocados entre as pessoas dentro da empresa, melhores serão os resultados individuais — possibilitando o desenvolvimento de sentimento de dono por parte dos colaboradores.

Feedbacks ainda oferecem um impacto significativo para o resultado da empresa: quanto mais oferecer aos profissionais, menos a empresa — e os próprios colaboradores — desviam da estratégia. Isso contribui para que eles tenham mais autonomia para a tomada de decisão, sejam melhor auxiliados sem que seja necessário um microgerenciamento.

Realize um onboarding de qualidade

Onboarding é um conjunto de estratégias para dar boas vindas às novas pessoas de sua equipe. Para isso, desenvolva uma experiência de onboarding antes mesmo da pessoa entrar na empresa. Já no processo de recrutamento e seleção, conte um pouco para o candidato sobre a história da empresa, apresente o propósito e os valores da organização e tire todas as dúvidas que ele venha a ter.

Na primeira semana de trabalho, estimule as áreas de sua empresa a apresentarem quais são as suas funções, como se integram com as demais equipes e como é a rotina. Além disso, apresente a cultura do negócio, contribuindo para aumentar esse senso de pertencimento.

De acordo com o The true cost of a bad hire, de Brandon Hall, organizações que contam com processos de onboarding consolidados melhoram sua taxa de retenção em até 85%, enquanto a produtividade observa melhorias de até 70%.

Trabalhe com OKRs

OKRs são sistemas de metas coletivas e individuais que convergem para as metas globais da empresa. Por que essa metodologia, principalmente se comparada com as metas tradicionais, contribui para desenvolver senso de ownership? Quando a estratégia já estiver consolidada, a sua definição é mais descentralizada.

Dessa forma, dá mais voz e participação às equipes e seus membros, enquanto nas metas tradicionais elas são desdobradas do topo para baixo. Além disso, são mais transparentes, permitindo que todas as pessoas possam acessar as OKRs de todos os times — com exceção de algumas poucas OKRs que ficam restritas à diretoria ou a lideranças específicas.

Ou seja, profissionais têm a oportunidade de identificar rapidamente as contradições, discutirem e resolverem, com total autonomia.

Estimule a formação de novas lideranças

Para a formação de novas lideranças, alguns passos práticos podem ser seguidos, como:

  • valorize a equipe interna como um todo, contribuindo para que as pessoas entendam sobre a importância de suas funções para os resultados do negócio;
  • desenvolva competências de todo o time;
  • incentive continuamente o trabalho em equipe;
  • reconheça o desempenho dos profissionais;
  • construa pequenos grupos para diferentes projetos.

Estimule projetos paralelos

Estimule que as lideradas e liderados possam entrar em projetos paralelos e desenvolvê-los, mesmo que não estejam diretamente relacionados às suas funções. Essa prática vai estimular novas ideias, além de ser uma oportunidade para encontrar soluções de gargalos existentes no negócio.

Como o treinamento & desenvolvimento contribui para promover ownership?

Além de todos os pontos apresentados, não podemos deixar de lado o fato de que o T&D também contribui significativamente para que a empresa possa promover ownership.

Mas, antes, gostaríamos de reforçar alguns pontos que reforçam a necessidade de investimento em learning nas empresas, especialmente depois da pandemia. De acordo com a 5ª Pesquisa Nacional de Práticas e Resultados da Educação Corporativa, realizada de três em três anos pela Fundação Instituto de Administração, da FIA, 97% dos respondentes afirmaram que já contam com práticas de educação à distância, revelando um aumento de 10% em relação ao ano de 2018.

Entre os motivos apontados pelas organizações para ampliarem esse tipo de investimento, destacam-se:

  • pandemia — 77%;
  • ampliação da base geográfica — 77%;
  • flexibilidade de acesso para colaboradores e colaboradoras — 64%;
  • redução de custos de viagens, hospedagens e transportes — 64%.

A seguir, explicamos um pouco mais sobre como esse tipo de estratégia contribui para o senso de dono das pessoas de um negócio (ownership).

Autodesenvolvimento

Por meio dos treinamentos, as pessoas colaboradoras têm a oportunidade de se desenvolverem e ampliarem seus conhecimentos em relação a assuntos específicos. Suponhamos que, na avaliação de desempenho aplicada na empresa, os temas apontados em um(a) profissional cuja necessidade de aprimoramento era necessária foram liderança, comunicação e perfil analítico. Nesse sentido, a empresa tem a oportunidade de formular um PDI cujos planos de ação são capacitações nesses tópicos em questão.

Além disso, de acordo com o próprio estudo apresentado acima, quando os treinamentos foram incluídos devido à pandemia, 80% das empresas respondentes afirmaram que programas educacionais são importantes ferramentas para o autodesenvolvimento das equipes, promovendo saúde e bem-estar.

Quando todos esses diferenciais são percebidos, a pessoa colaboradora passa a se sentir parte dos processos da empresa de forma mais efetiva, contribuindo para cumprir as suas demandas com mais engajamento e motivação.

Estimula o surgimento de lideranças

Por meio do treinamento & desenvolvimento, as pessoas ainda têm a oportunidade de demonstrarem outras habilidades, como é o caso de liderança. Aquelas colaboradoras que contam com potencial para gerir times tendem a se destacar por meio das capacitações envolvidas, sendo essa uma grande conquista para a organização e também para o crescimento daquela pessoa dentro da empresa.

Incentiva o trabalho em equipe

De acordo com o mesmo levantamento apresentado, plataformas de learning têm contribuído significativamente para a integração e a aproximação entre os participantes. Esse ponto foi ressaltado por 67% das empresas respondentes.

Nesse sentido, é interessante observar como esse tipo de estratégia contribui de forma direta para que haja um incentivo ao trabalho em equipe. Quando um mesmo time trabalha em conjunto e em sintonia, tende a enfrentar os desafios do dia a dia de forma mais efetiva, de modo que as pessoas possam ajudar umas às outras quanto aos resultados individuais que impactam nos resultados do time e, consequentemente, no resultado da empresa.


Neste conteúdo, você pôde entender o que é ownership, qual é a importância de investir nesse ponto, além de dicas sobre como promover na empresa. Para isso, contar com uma ferramenta de gestão de desempenho contribuirá de forma direta para o acompanhamento dessas estratégias, além de garantir com mais efetividade para que as ações pensadas sejam colocadas em prática.

Se você deseja conhecer um pouco mais sobre o tema e não sabe como iniciá-lo, entre em contato com nossa equipe, converse com nossos profissionais e tire suas dúvidas!